Psicóloga Renata Stulp Scheide fala sobre os medos comuns durante a gestação

A gravidez é um momento mágico na vida de toda mulher, no entanto é um período também marcado por muitas incertezas. A maioria das mães idealizam a sua gestação e planejam para que tudo seja perfeito. O que muitas não conseguem prever é o medo que chega, às vezes sem aviso. De acordo com a psicóloga Renata Stulp Scheide, o medo é bastante comum durante a gravidez e há mulheres inclusive, que tem esse sentimento até mesmo só de pensar em engravidar.

“Esse medo que a maioria das gestantes sentem durante a gravidez é normal e até certo ponto ele é bom, porque se torna também uma forma de preparação para as mudanças que a chegada de um bebê traz para a rotina do casal e também para a dinâmica da família”, pontua a psicóloga.

Entre os medos mais comuns que as grávidas sentem estão o de não ser uma boa mãe, o medo de não conseguir dar conta de todos os cuidados que um recém-nascido precisa, medo de morrer durante o parto. Enfim, o medo vem por conta principalmente do desconhecido. Nessa fase, também é bastante comum que algumas gestantes relatem ter mais pesadelos e eles realmente são mais presentes nessa fase. De acordo com Renata Stulp Scheide esse sentimento é mais natural do que imaginamos e também compreensível. Para ela só é necessário ficar atento se a futura mamãe deixa de fazer suas atividades do dia a dia por causa desse medo.

“Se esse medo é um pavor ou se torna excessivo, extrapolando os limites, aí sim é preciso buscar ajuda psicológica para conseguir lidar com a situação e trabalhar todas essas questões internamente. Na minha gestação, por exemplo, tive muito medo de cair, mas isso só me deixou mais atenta, não era limitante. Já o medo de não conseguir cuidar do bebê também faz parte, mas é preciso que as futuras mamães acreditem mais nos seus instintos, porque eles falam alto”, revela.

A psicóloga Renata Stulp Scheide finaliza explicando que esse tipo de preocupação demonstra que você está ciente do tamanho da responsabilidade que é ser mãe. Por isso, é um ótimo sinal. “Mesmo que as mamães não saibam, teoricamente, como lidar com algumas situações, na hora acaba fluindo instintivamente e logo o medo dá lugar à confiança”, finaliza.

 

Walkiria Verkade