Mulheres que integram Colônia de Pescadores confeccionam roupas da realeza do 5º Festival do Camarão de Porto Belo

5º edição do Festival do Camarão de Porto Belo costura histórias de força e feminilidade. A cidade, assim como as demais do Litoral catarinense, tem uma ligação forte com a pesca. Mas no município existe um diferencial, uma colônia de pescadores presidida por uma mulher.

A Colônia Z8 é formada por 4 mil pescadores, sendo 800 deles ativos, e é presidida por Dona Asta Jandt dos Santos, única mulher no Brasil que ocupa a presidência de uma colônia de pescadores. As mulheres desse grupo são as responsáveis pela produção das roupas e faixas da rainha e princesas da festa.

Os vestidos foram confeccionados artesanalmente por Dona Asta e pela filha Tatiana Wehne, que é também professora e coordenadora do curso Costurando o Mar, ministrado na Colônia. Para isso, elas estudaram as roupas açorianas, com a intenção de manter o máximo do tradicionalismo que a festa carrega.

Além disso, os vestidos têm detalhes que simulam a renda de bilro, trazida para o Brasil através dos portugueses, que é confeccionada originalmente sobre uma almofada que deve ser presa em um suporte de madeira. Os bilros, que dão nome a essa arte, são objetos de madeira que possuem uma pequena cabeça em uma das extremidades, onde a linha é enrolada para fazer o trançado da renda.

As mulheres também confeccionarão as faixas da rainha e princesas da festa, e todo esse trabalho pode ser conferido de perto no 5º Festival do Camarão de Porto Belo, entre os dias 11 e 14 de outubro na Praça da Bandeira, no Centro da cidade. Além de muita arte, os visitantes poderão apreciar o melhor da gastronomia baseada no camarão, shows gratuitos e diversas atrações para toda a família.

 5º Festival do Camarão de Porto Belo

 de 11 a 14 de outubro.

 Praça da Bandeira Prefeito Mário José Serpa, Av. Governador Celso Ramos, Centro, Porto Belo.

Ingressos: entrada gratuita para todos os shows

5º Festival do Camarão de Porto Belo

https://www.facebook.com/festivaldocamaraodeportobelo

Oficina das Palavras