No “Só Coisas Boas”, Sergio Marone discute a importância da espiritualidade com Monja Coen

No último sábado, o programa Só Coisas Boas chegou ao seu oitavo episódio e teve como convidada Monje Coen. Sergio Marone recebeu a líder espiritual, para uma conversa leve e bem-humorada sobre os novos tempos.

O apresentador e Monja Coen conversaram sobre a adaptação à quarentena, sobre os cursos online que ela oferece e sobre a importância da espiritualidade em tempos como o que vivemos.

“Acompanho a Monja Coen há muito tempo, sempre foi uma inspiração de equilíbrio e bem-estar. Apesar de católico por batismo, sou muito curioso e a personificação do sincretismo religioso. Não vejo nada de mal em buscar referências em diversas religiões e filosofias e absorver ou adotar o que te faz sentir bem. Nesses tempos difíceis achei fundamental ouvir dela como manter o equilíbrio de acordo com os princípios do budismo.”

Sergio Marone segue com o ‘Só Coisas Boas” semanalmente, todo sábado às 13h, em seu canal no Youtube.

Assista aqui.

Só Coisas Boas 

Desde o início da pandemia no país e no mundo a população vem sendo bombardeada por informações e notícias, e em sua maioria ruins, por conta do cenário atual. Pensando nos benefícios de ser atingido por coisas boas e motivado a passar isso adiante, Sergio Marone lançou em maio o Só Coisas Boas, programa veiculado em seu perfil no Youtube, semanalmente.

A inspiração de seu programa é o Some Good News, idealizado pelo norte americano John Krasinski. “Me deparei com o programa e adorei, me senti bem, fiquei emocionado, foram 20 minutos que fizeram meu dia muito diferente. Pensei porque não fazer algo parecido no Brasil, e acredito que agora, mais que nunca, as pessoas estão querendo ouvir boas notícias e disseminar boas notícias”, explica Marone.

E completa, “É um momento pra gente refletir enquanto humanidade e semear uma mudança de comportamento, de paradigma, do entendimento do que é ser humano e o que é viver em sociedade. De entendimento que a raça humana não existe sem solidariedade, nós não estamos aqui pra ficar consumindo de maneira irresponsável, e explorando o planeta até seu limite.Temos que refletir e aprender as lições que a natureza está nos dando. Temos que sair dessa guerra, muito melhor, muito mais evoluídos como seres humanos. Entender que temos que preservar para garantir um futuro melhor, espero semear isso com esse projeto.”.