MULHERES DO MUNDO

Ligiane Finardi Meyer, a Ligi, apresenta sua exposição “Mulheres do Mundo”, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher* – 8 de março – durante uma semana.

Ligiane Finardi (Foto: Genevieve Bernardoni)

Ela é autodidata, uma fotógrafa por vocação e com um trabalho que lhe exige muitas viagens, mas sempre sobra um bom tempo para registrar momentos, lugares lindos, com a opção de contar histórias, culturas e tradições através de seu olhar apurado no exato momento do ‘clic’.
Ligiane prefere e tem um maior acervo de fotos sobre a natureza, seja por aqui na praia de Cabeçudas, em Itajaí, onde ela reside ou pelas suas andanças mundo afora.
“Eu também gosto de registrar rostos locais, tradições, culturas distintas e já o fiz de algumas mulheres. Cada foto escolhida tem por trás, uma história minha, da fotografada, do lugar onde foi feita e também do estado emocional no momento do ‘clic’ (mesmo que em um flagrante!).

Tradição- Bangkok, Tailândia
Elas despertam em mim algum tipo de sentimento individual e que remete no final, ao que toda mulher sente: alegria, cansaço, tristeza, inocência, delicadeza, força. Do Japão ao Amazonas, a maioria das mulheres é assim, um mix intenso de sentimentos e várias histórias para contar”, diz Ligi.
Parte desse contexto você pode conferir de 1o a 8 de março, através de 25 fotografias que compõem a Exposição “Mulheres do Mundo” que estará no jardim da casa da Santacosta, na praia Brava, em Itajaí.

Selfie – Tokyo, Japão

* As histórias que remetem à criação do Dia Internacional da Mulher alimentam o imaginário de que a data teria surgido a partir de um incêndio em uma fábrica têxtil de Nova York em 1911, quando cerca de 130 operárias morreram carbonizadas. Sem dúvida, o incidente ocorrido em 25 de março daquele ano marcou a trajetória das lutas feministas ao longo do século 20, mas os eventos que levaram à criação da data são bem anteriores a este acontecimento e foram muitos.

Tempo Livre – Paris

Mas, foi em 8 de março de 1917 (23 de fevereiro no calendário Juliano, adotado pela Rússia até então), quando aproximadamente 90 mil operárias manifestaram-se contra o Czar Nicolau II, as más condições de trabalho, a fome e a participação russa na guerra – em um protesto conhecido como “Pão e Paz” – que a data consagrou-se, embora
tenha sido oficializada como Dia Internacional da Mulher, apenas em 1921.

Encontros – Panzano, Italia

Exposição Mulheres do Mundo
de 1o à 8 de março de 2021
Casa da Santacosta, praia Brava, em Itajaí – Rua Delfim Mário de Pádua Peixoto, 163 Entrada: gratuíta, aberta à visitação desde que se use máscara e respeite o distanciamento.